Fala que eu te escuto

Quer me mandar um e-mail? Preencha o formulário abaixo e escreva a sua mensagem! Ela vai direto para a caixa de entrada do Creativeniac e eu responderei assim que possível!

5 pensamentos sobre “Fala que eu te escuto

  1. Mário de Miranda Quintana[1] (Alegrete, 30 de julho de 1906 — Porto Alegre, 5 de maio de 1994) foi um poeta, tradutor e jornalista brasileiro.

    Mário Quintana era filho de Celso de Oliveira Quintana e de Virgínia de Miranda, fez as primeiras letras em sua cidade natal, mudando-se em 1919 para Porto Alegre, onde estudou no Colégio Militar, publicando ali suas primeiras produções literárias. Trabalhou para a Editora Globo, quando esta ainda era uma instituição eminentemente gaúcha, e depois na farmácia paterna.

    Considerado o “poeta das coisas simples”, com um estilo marcado pela ironia, pela profundidade e pela perfeição técnica, ele trabalhou como jornalista quase toda a sua vida. Traduziu mais de cento e trinta obras da literatura universal, entre elas Em Busca do Tempo Perdido de Marcel Proust, Mrs Dalloway de Virginia Woolf, e Palavras e Sangue, de Giovanni Papini.
    Fonte de pesquisa; Wikipédia, a enciclopédia livre.

    Já tinha ouvido falar, mas agora que estou lendo alguns de seus poemas.

    • Vou ver se leio alguma coisa dele pra gente tricotar!

      Ele é de Alegrete!!! Já estive lá, há muitos e muitos anos atrás, trabalhando na subestação da Eletrosul. Um dos meus escritos nasceu nesta ocasião. Não faço idéia de qual. Só me lembro de estar lá escrevendo no Paleobook* quando tinha que esperar alguém terminar alguma coisa pra eu poder fazer o meu trabalho.

      * O Paleobook era um notebook que a gente levava nas viagens. Nós o chamávamos assim por ele ser totalmente pré-histórico (tipo, na época já era velho!). Ele rodava Windows 95!

  2. Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, (Cidade de Goiás, 20 de agosto de 1889 — Goiânia, 10 de abril de 1985) foi uma poetisa e contista brasileira. Considerada uma das principais escritoras brasileiras, ela teve seu primeiro livro publicado em junho de 1965 (Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais), quando já tinha quase 76 anos de idade.

    Mulher simples, doceira de profissão, tendo vivido longe dos grandes centros urbanos, alheia a modismos literários, produziu uma obra poética rica em motivos do cotidiano do interior brasileiro, em particular dos becos e ruas históricas de Goiás.
    Fonte de pesquisa: Wikipédia, a enciclopédia livre.

    Viu amiga? ela lançou seu primeiro livro aos 76 anos… e começou escrever seus textos aos 13 anos de idade. se não estou enganada, idade que você também começou a escrever, não é?

    Nunca é tarde quando se tem sonhos a realizar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: